ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

S.Valentim

Hoje, na sessão de cidadania e empregabilidade, um colega falou nas flores que ia comprar para o S.Valentim e como o nosso grupo não sabia de onde veio esta tradição, esse colega foi procurar informação sobre o assunto. Filipa Silva

São Valentim era um padre que às escondidas do imperador fazia casamentos, visto que esta prática tinha sido proibida para que os homens se alistassem no exército e não constituissem familia, só que o padre foi descoberto pelo imperador, que o mandou prender e condenou-o à morte. S. Valentim foi morto no ano 270, no dia 14 de fevereiro. Desta forma o São Valentim é lembrado como o santo do namorados. Hassamo

E o nosso grupo de RVCC - B3 fez os seguintes comentários sobre esta tradição:

na aula de cidadania fiquei a saber a história de S.Valentim. onde o amor verdadeiro vence tudo e tudos. Pedro Magalhães

Na aula de cidadania fiquei a saber uma das histórias de S.Valentim. O amor quando é verdadeiro vence sempre. Daniel Ferreira


Apesar da imposição do Imperador o amor levou a melhor. Paulo Calado

Hoje descobri como começou o São Valentim, num debate que houve na sessão de cidadania.
Rosina Ibrahim

Hoje ficámos a saber que o amor venceu as ordens superiores. São

Fiquei a saber que vale a pena trangredir certas regras para ajudar a humanidade. Cassilda

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Testemunhos - Nível Secundário

Para mim o processo de RVCC é um meio de obter o reconhecimento das minhas experiências profissionais e pessoais. Não tendo ainda terminado, pretendo fazê-lo o mais breve possível com a preciosa ajuda dos formadores e da profissional, que tem estado sempre a meu lado dando-me força para seguir em frente.
Por vezes sinto-me a desanimar, mas logo penso, há que continuar e seguir em frente para alcançar os objectivos a que me propus.
O meu muito obrigada

Carla Ribeiro
(A frequentar o Processo RVCC de Nível Secundário)


Este processo está-se a revelar um desafio, porque não é fácil conciliar a nossa vida profissional com os estudos, mas como em tudo na vida, é preciso força de vontade e alguma dedicação, porque vale mesmo a pena. Este processo não é fácil, como muitas pessoas pensam, pois temos mesmo de demonstrar, através dos textos, que temos os conhecimentos adquiridos através da nossa vida profissional e pessoal, para assim conseguir a certificação. Tenho de agradecer a todos os profissionais que me estão a acompanhar, neste momento, a fim de concluir o processo, pois têm-se revelado incansáveis em não nos deixarem desistir. Aconselho a todas as pessoas que não tenham o ensino secundário concluído, a concluir o mesmo através deste processo, embora seja de alguma forma exigente, é ao mesmo tempo muito enriquecedor.

Miguel Pacheco
(A frequentar o Processo RVCC de Nível Secundário)
Passados trinta e tais anos, resolvi voltar à escola para concretizar o sonho de terminar o ensino secundário que tinha ficado para trás, devido a compromissos profissionais e pessoais. A vida não é fácil de gerir temos que fazer opções e no momento certo. Por isso, estou a tentar concretizar este sonho, falta-me ainda dar alguns passos, mas acredito que brevemente o vou conseguir.
A nível profissional já pouco vou beneficiar por estar na recta final da minha carreira, mas por outro lado, a nível pessoal o meu enriquecimento intelectual e a minha auto-estima vão ficar mais valorizados. Tem sido uma experiência fantástica e gratificante relembrar muitos momentos da minha vida em cada trabalho feito.
Aconselho vivamente a todos os adultos que queiram melhorar as suas qualificações que se inscrevam no Programa das Novas Oportunidades. E que se preparem para enfrentar um grande desafio, porque exige muitas horas de trabalho e dedicação, não sendo fácil como muita gente o faz crer, com o intuito de desvalorizar este programa. No final tenho a certeza que todo o esforço dispendido vai ser compensado.

Hélder Rosa
(A frequentar o Processo RVCC de Nível Secundário)

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Visita de estudo à BASE NAVAL DO ALFEITE

No dia 29 de Janeiro, pelas 9 horas, deu-se início à visita de estudo à Base Naval do Alfeite.

Esta iniciativa, que surgiu de uma proposta de alguns elementos da Comissão de Adultos do CNO, contou com a participação de candidatos em processo RVCC de nível básico e de nível secundário, formandos de turmas EFA e da turma de Formação Modular de Inglês, assim como da coordenadora do CNO e dos formadores de MV, STC e CLC/LE.



Começámos pela visita guiada à Fragata Álvares Cabral, da classe Vasco da Gama, com destaque para a passagem pela Ponte de Comando, o centro nervoso do Navio, onde uma vasta gama de equipamentos electrónicos avançados partilham ainda o espaço com equipamentos de navegação centenários, como o sextante ("somos Marinheiros, se a tecnologia falhar, continuamos a ter o vento, o céu e o mar"). Seguiu-se uma experiência no simulador CITAN, onde numa réplica da mesma Ponte de Comando, o grupo teve a oportunidade de experienciar uma manobra de reabastecimento, navegação em alto mar em diferentes condições (desde "mar-chão" a "bagalhoça", utilizando os termos do ofício), uma entrada na barra de Lisboa em diferentes condições meteorológicas (sol, chuva, nevoeiro e até tempestade de neve) e uma manobra de atracagem numa base naval do Alfeite virtual. Concluiu-se a visita com um almoço conjunto na messe dos oficiais.

Deste modo cumpriram-se os objectivos de articulação entre esta visita e a unidade de competências-chave de Equipamentos e Sistemas Técnicos, ao mesmo tempo que se usufruiu de um espaço informal de convívio.